Ecochain: Santa Cruz da Esperança é reconhecida como a 5ª cidade mais sustentável do Estado de São Paulo

03/06/2019

Matéria de Bianca Camata - Assessora de Comunicação da Bianca Camata Comunicação Integrada

 

SANTA CRUZ DA ESPERANÇA É RECONHECIDA COMO 5ª CIDADE MAIS SUSTENTÁVEL DO ESTADO DE SÃO PAULO

 

Conquista ocorreu durante o Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor – Mario Covas, na cidade de São Paulo, dia 21 de maio. Município ficou entre grandes concorrentes como Mogi das Cruzes, Itapetininga, Presidente Prudente e São Paulo.
 

Prefeito de Santa Cruz da Esperança, Dimar de Brito, recebeu reconhecimento na categoria ‘Inovação e Sustentabilidade’ devido a aplicação do projeto Ecochain Moeda Verde.
 

São Paulo, maio de 2019 – A última terça-feira, dia 21 de maio, foi um dia de muita comemoração para o município de Santa Cruz da Esperança e seus habitantes. Isso porque a cidade foi reconhecida como a 5ª mais sustentável do estado de São Paulo, na categoria “Inovação e Sustentabilidade”, durante o Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor – Mario Covas. A cerimônia de premiação, que aconteceu na cidade de São Paulo, reconheceu os gestores, em oito aspectos, que promoveram desenvolvimento econômico e social de seus municípios por meio de incentivo aos pequenos negócios locais.


A notícia surpreendeu as autoridades e munícipes da cidade uma vez que Santa Cruz tem apenas 2.000 habitantes e competiu com cidades consideravelmente maiores, como Mogi das Cruzes, Presidente Prudente, Itapetininga e a gigante São Paulo.
 

A iniciativa inscrita foi o Ecochain Moeda Verde, uma criptomoeda que minimiza o impacto ambiental e promove o desenvolvimento socioeconômico na cidade. A implementação da criptomoeda é garantida pela prefeitura de SCE em parceria com a Ecochain, uma startup formada pela junção de três empresas: a exchange de criptomoedas, FlowBTC, a Ti2Ci, empresa de soluções para cidades inteligentes, e a especialista em inovação tecnológica, LF1.
 

A ideia de implementar esse sistema de moedas digitais surgiu como uma forma de aprimorar um programa que já estava em andamento na cidade, desde 2017. “O Moeda Verde começou como um cupom impresso que era entregue aos cidadãos que recolhiam e descartavam resíduos domésticos nos postos de coleta. Mas, no formato que era, ainda sofríamos com a fraude dos vouchers”, explicou o prefeito de Santa Cruz da Esperança, Dimar de Brito.
 

Para entender, ele funciona hoje da seguinte forma: o voluntário precisa fazer o cadastro no site Ecochain Moeda Verde na prefeitura do município, ou em um posto de coleta. Para efetuar o registro ele precisa fornecer apenas o nome completo e CPF. Após esse processo, o cidadão tem acesso automaticamente a uma digital wallet onde receberá seus ECOs (tokens) e poderá verificar seu saldo – a carteira pode ser acessada de qualquer dispositivo móvel. Caso algum voluntário não tenha celular ou mobile, o token é disponibilizado em formato de QR Code, no papel para a troca. Com essa moeda digital, o voluntário pode adquirir itens de cesta básica e materiais escolares para os pequenos.

 

Com a troca para as criptomoedas, além da transparência, o sistema ganhou mais alcance e engajamento dos habitantes da cidade. “A geração de renda extra espetacular possibilitou que qualquer tipo de pessoa participe do projeto,desde famílias carentes, até funcionários de supermercados, farmácias etc.”,informou o prefeito, que também acrescentou que, a coleta seletiva é feita deforma controlada permitiu a extinção de doenças como Dengue e chikungunya no município: “Fomos de uma situação de alerta, em 2017, com 20 casos registrados para 2.000 habitantes, para zero, em 2018”.

 

Brito atribui a conquista desse reconhecimento 100% a aplicação do sistema de moedas digitais, uma vez que ele garantiu a segurança e funcionamento correto dos processos. Também de acordo com um dos fundadores da Ecochain, Antônio Limongi, o descarte de resíduos sólidos faz parte dos problemas atuais que a sociedade não pode ignorar mais. “A economia circular, como bem observa o professor João Amato Neto, especialista que conduz estudos sobre oassunto, é uma ótima forma de minimizar essas questões, uma vez que, além de diminuir e, até zerar, o descarte inapropriado de lixo no meio ambiente, ela é capaz de fomentar as economias locais”, destacou Limongi. “É muito gratificante ver que existem pessoas, como o prefeito Dimar, também preocupados em minimizar esses impactos na sociedade”, completou.

 

 

Sobre o Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor

O Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor – Mario Covas reconhece os gestores que promovem o desenvolvimento econômico e social de seus municípios por meio do incentivo aos pequenos negócios locais. Com o prêmio, o Sebrae joga luz e ajuda a disseminar projetos de estímulo à modernização da gestão pública e ao surgimento e desenvolvimento.Ele faz parte da premiação nacional, que está em sua 10ª edição. Os vencedores da etapa estadual concorrerão com os projetos selecionados de todo o País para a premiação nacional, que ocorrerá em 05 de junho, em Brasília. Realizada acada dois anos, a premiação é concedida aos prefeitos de todo o Brasil e aos administradores regionais do Distrito Federal e de Fernando de Noronha.

 

 

Sobre o ECOCHAIN

A ECOCHAIN é uma startup fruto da associação de três empresas: a exchange de criptomoedas, FlowBTC, a Ti2Ci, empresa de soluções para cidades inteligentes, e a especialista em inovação tecnológica, LF1.

 

Conduzida pelos sócios Antônio Limongi, Ronan Cunali e Marcelo Miranda, a empresa é guiada pelo objetivo de levar soluções tecnológicas que minimizam questões sociais e agropecuária em cidades do estado de São Paulo. Todos os projetos do ECOCHAIN, hoje, utilizam o sistema blockchain, exatamente para trazer mais segurança e transparência para a gestão dessas iniciativas.A ideia da empresa é, além de afirmar o caráter disruptivo da criptomoeda e mostrar que ela pode ser utilizada para questões socioeconômicas, zerar a fila de 40 pequenos e médios municípios brasileiros que esperam para receber essa tecnologia, até 2020.

 

 

Sugestões de Fonte
Antônio Limongi – Fundador da Ecochain
Marcelo Miranda - Fundador da Ecochain
Ronan Cunali - Fundador da Ecochain
Dimar de Brito – Prefeito da cidade de Santa Cruz da Esperança
Geovana de Biagi – Secretaria da Saúde de Santa Cruz da Esperança
Profº João Amato – Professor do Departamento de Engenharia de Produção
da Poli/USP, Presidente da Diretoria Executiva da Fundação Vanzolini e
Especialista em Economia Circular

 

 

Informações para a Imprensa:

 

 

 

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no LinkedIn
Please reload

CONECTICIDADE

Laboratório de Cidades, Tecnologia e Urbanismo